Certificados de Aforro

Dezembro 27 2011

Juro líquido dos certificados de aforro vai descer, no próximo mês, para o nível mais baixo desde Abril. Fica ligeiramente acima de 1%.

Os certificados de aforro vão pagar menos, a partir de Janeiro. A queda da Euribor vai fazer baixar o retorno deste produto, penalizado também pelo aumento da tributação dos rendimentos de capital de 21,5% para 25%. O juro líquido ficará, assim, ligeiramente acima da fasquia de 1%.

A taxa bruta anual, a aplicar em Janeiro, vai descer pelo segundo mês consecutivo. Passa dos 1,496% actualmente em vigor, até ao final da semana, para os 1,452%, no próximo mês, de acordo com cálculos do Negócios, tendo em conta a fórmula utilizada pelo IGCP.

O retorno bruto desce, reflectindo a evolução recente das taxas interbancárias, nomeadamente a Euribor a 3 meses que se fixou, ontem, nos 1,396%. Recuou pela quarta sessão, num movimento de ajuste à taxa directora do Banco Central Europeu que está, desde o início do mês, em 1%.

A queda da rendibilidade é acentuada, no entanto, pelo agravamento da carga fiscal sobre os rendimentos de capital, anunciada pelo Governo. O imposto aplicado aos depósitos a prazo, mas também aos certificados de aforro e do Tesouro vai ser revisto em alta, passando para 25%.

Assim, a taxa líquida a aplicar nos três meses seguintes à subscrição deste produto de poupança do Estado não vai ser de 1,14%, se fosse tributada a 21,5%, mas sim de 1,089%, com o imposto agravado. Este será o retorno líquido mais baixo desde Abril, de acordo com a informação compilada pelo IGCP.

O aumento da tributação é mais um factor negativo para os certificados de aforro, um produto que não tem conseguido concorrer com outras aplicação de poupança, nomeadamente os "tradicionais" depósitos a prazo. E isso tem levado à fuga de investidores.

Desde o início do ano já foram resgatados 3.820 milhões de euros deste produto, sendo que o Governo admite, no Orçamento do Estado, que o valor supere os 4.000 milhões no final deste ano. No total, os certificados de aforro perderam 68.662 investidores.

Cálculos realizados pelo Negócios apontam para que cada aforrador tenha retirado, em 2011, em média, 55 mil euros deste produto. Em sentido inverso, os certificados do Tesouro, que pagam uma taxa de juro máxima de 7,1%, atraíram 600 milhões de euros das poupanças dos portugueses, este ano. 

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/i

publicado por adm às 21:25

Tudo sobre os Certificados de Aforro aqui
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
links