Certificados de Aforro

Setembro 28 2012

O Governo melhorou a remuneração dos Certificados de Aforro, mas a UTAO critica as mudanças constantes.

O Governo mudou as regras de remuneração dos Certificados de Aforro, para os tornar mais rentáveis, mas as constantes alterações legislativas e o carácter temporário das novas condições roubam estabilidade a este investimento, penalizando as subscrições. O reparo é feito pelos membros da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), na nota mensal sobre dívida pública, referente ao mês de Agosto.

"Embora a tentativa de conferir uma nova atractividade aos Certificados de Aforro seja motivo de referência, as diversas alterações legislativas que este instrumento tem vindo a sofrer e o carácter temporário desta última modificação poderão não estar a contribuir para a estabilidade necessária ao aumento das subscrições deste produto", dizem os técnicos da Assembleia da República (AR).

O Governo decidiu no final de Agosto aumentar a remuneração dos Certificados de Aforro e suspender os certificados de tesouro, com o objectivo. Na série B dos Certificados de Aforro (fora de subscrição desde 2008) acresce um prémio de 1%, mantendo-se os prémios de permanência, enquanto na série C (em subscrição) o prémio de permanência foi suspenso tendo sido substituído por um prémio fixo de 2,75%, detalham os técnicos do Parlamento no mesmo documento.

Esta alteração teve como objectivo travar o levantamento de Certificados de Aforro. Até ao final de Agosto, os portugueses tiraram 1.632 milhões de euros em Certificados de Aforro, de acordo com dados do Instituto de Gestão e Crédito Público (IGCP), um valor superior às estimativas do Governo que previa chegar ao final do ano com um saldo entre subscrições e resgates na ordem dos 1.500 milhões de euros.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 08:25

Tudo sobre os Certificados de Aforro aqui
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
links