Certificados de Aforro

Outubro 23 2012

Resgates de certificados de aforro desceram para 38 milhões de euros, o mínimo em três anos.

O Governo alterou em Setembro as regras dos certificados de aforro, melhorando excepcionalmente a remuneração oferecida. E, apesar da medida ter sido insuficiente para colocar um ponto final ao ciclo de resgates, terá servido para moderar o ritmo de saída dos aforradores portugueses. No mês passado, os resgates líquidos foram de 38 milhões de euros, segundo dados divulgados ontem pelo Banco de Portugal. Foi o mês menos negativo para os certificados desde Agosto de 2009.

No início de Setembro, o governo melhorou os prémios deste produto, uma medida excepcional com duração até final de 2016.

O objectivo era conter a fuga dos aforradores deste produto. Em simultâneo, foi decidido acabar com a possibilidade de subscrição dos certificados do tesouro, instrumentos que a partir do quinto ano seguiam a rendibilidade das obrigações do tesouro. Esta última opção foi justificada com "o reduzido sucesso do produto".

Antes da alteração da remuneração, os certificados de aforro sofreram resgates líquidos acima de 100 milhões de euros durante 26 meses consecutivos. Só desde o início do ano, o desinvestimento neste produto de financiamento do Estado atingiu 1,67 mil milhões de euros. O montante aplicado é de 9,7 mil milhões de euros, o valor mais baixo desde que há registo, em 1998. Os resgates foram superiores ao estimado pelo governo no ano passado o que, segundo a Unidade Técnica de Apoio Orçamental, contribui para o Estado ter um recurso maior que o previsto ao mercado de dívida, através da emissão de Bilhetes do Tesouro. 

fonter:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 22:38

Tudo sobre os Certificados de Aforro aqui
pesquisar
 
Pesquisa personalizada
links