Certificados de Aforro

Janeiro 25 2013

O Estado perdeu 1.715 milhões de euros em Certificados de Aforro ao longo de 2012, ainda que em dezembro, pela primeira vez desde pelo menos há dois anos, as emissões tenham sido superiores às amortizações.


De acordo com o Boletim Mensal do IGCP, o instituto que gere a dívida pública portuguesa, a 31 de dezembro de 2011, os portugueses tinham aplicados 11.384 milhões de euros em Certificados de Aforro, um valor que caiu para os 9.669 milhões no final do ano passado (-1.715 milhões de euros).

No último mês de 2012, os privados investiram 66 milhões de euros (emissões) em Certificados de Aforro e levantaram 65 milhões (amortizações), uma situação que já não se verificava há pelo menos dois anos.

Em agosto do ano passado, o Governo alterou as condições de remuneração dos Certificados de Aforro das séries B e C, que passaram a ter um prémio fixo a partir de setembro de 2012, ficando em ambas as séries com um retorno de cerca de 3,2%.

No caso da série B, a melhoria da remuneração traduziu-se num aumento do prémio fixo de 1,0 por cento (100 pontos base), passando a remuneração a ser de 3,2808%.

Para a série C, o Governo decidiu suspender o prémio em vigor e substitui-lo por um prémio fixo de 2,75% (275 pontos base), obtendo-se uma remuneração de 3,268%.

Tanto a série B como a série C passaram a ser indexadas a taxas de juro de curto prazo.

Na altura, o Governo esclareceu que estas condições excecionais de remuneração vigoram de 01 de setembro de 2012 a 31 de dezembro de 2016, data após a qual serão retomadas as condições originais, estabelecendo-se um limite máximo de remuneração de 5%.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/


publicado por adm às 22:37

Tudo sobre os Certificados de Aforro aqui
pesquisar
 
links